Notícias de Última Hora

Pernambucana mora nos EUA e ao voltar encontra a casa ocupada por outra pessoa em Porto de Galinhas

Casa fica localizada na Praia de Porto de Galinhas, em Ipojuca  — Foto: Reprodução/WhatsApp

Uma pernambucana que mora nos Estados Unidos denuncia que teve a casa invadida e reformada, na Praia de Porto de Galinhas, em Ipojuca, no Litoral Sul.
Segundo a designer de interiores Ainoã Edney, o homem que teria passado a morar no imóvel irregularmente pediu uma indenização de R$ 60 mil para desocupar a residência.
O caso é investigado pela Polícia Civil. Além disso, desde dezembro de 2018, está na Justiça um processo de reintegração de posse movido por Ainoã. Identificado como Lumar Alves de Oliveira,  é ex-servidor da prefeitura de Ipojuca.
A casa é mantida pela família há 15 anos e ela costumava passar temporadas no local, em média, duas vezes por ano. A presença do homem foi descoberta em agosto de 2018, após ela passar dois anos sem voltar ao Brasil.
"Por problemas pessoais, nos últimos dois anos não fui ao local, mas esse é o meu endereço no Brasil. Tenho a escritura e até um contrato com um engenheiro que começaria uma reforma no local em novembro de 2018. Quando meu irmão foi lá, o homem e sua esposa o atenderam, ofereceram cafezinho, como se a casa fosse deles", afirma Ainoã.
Ainda segundo a designer, entre as modificações realizadas pelo homem estão a construção de um muro, a substituição de algumas paredes e a instalação de duas piscinas dentro do terreno da casa. Por causa disso, de acordo com Ainoã, o homem pediu R$ 60 mil para devolver a casa.
Também de acordo com Ainoã, o homem trabalha como motorista de buggy na praia e alega não ter dinheiro para sair da casa.
"Ele disse que falasse com os advogados dele para fazer um contrato de venda ou aluguel, mas eu quero a casa, porque uma familiar que faz hemodiálise e mora no interior está precisando. Como ele não tem dinheiro para sair e quer comprar a casa. Além disso, ele tem duas empregadas domésticas e um carro caro", declara a designer.
Ainoã diz, ainda, que acredita que o homem, por trabalhar na praia, conhecia a movimentação da casa e, com a ausência dos donos, teria se apropriado do imóvel.
O caso é investigado pela Delegacia de Porto de Galinhas. De acordo com a Polícia Civil, diligências são realizadas e intimações devem ser expedidas na sexta-feira (8) para ouvir os envolvidos.


Redação: Litoral PE

Nenhum comentário